Pesquisar este blog

Inteligência e Gratidão

Um homem tinha construído a chaminé de sua casa de uma maneira totalmente errada. Ela era torta, e deixava cair fuligem e fagulhas no chão da casa. Pra piorar, ele forrava o piso com folhas, achando que assim o manteria limpo. Um de seus vizinhos viu isso, e preocupado, foi avisá-lo:
- Amigo, essa sua chaminé é um perigo! Ela deixa escapar fogo o tempo todo quando está acesa. Além disso, essas folhas no chão só aumentam o risco. Tome cuidado, isso vai acabar provocando um acidente!
O outro deu nos ombros, e ignorou os avisos. Até que um dia, como era previsível, algumas fagulhas pegaram nas folhas, que se tornaram um incêndio, e tomaram toda a casa. Todos os moradores e vizinhos das proximidades acorreram para salvar-lhe, levando baldes de água e terra. Com custo, dominaram o fogo e evitaram um acidente maior.
O dono da casa ficou feliz com isso, e resolveu organizar um banquete para comemorar. Convidou todos aqueles que tinham ajudado a apagar o incêndio, exceto o vizinho que lhe avisara do perigo. Quando sua ausência foi notada, os convidados perguntaram ao dono da casa: “mas por que você não o convidou, justamente ele, que o avisou desse risco?” - ao que ele fez uma cara feia e respondeu:
- ah, a casa só pegou fogo porque ele ficou falando essas coisas!!!
Conto Han

Zapotzu comentou:
Infelizmente, todo aquele que deseja ensinar, esclarecer ou revelar algo é alvo de pedradas.

O Andarilho Celeste comentou:
Que mundo vivemos!
A sinceridade é tomada por grosseria;
A grosseria, por atitude;
A atitude, por mentira;
E a mentira, por sinceridade!
Por isso, falta sinceridade hoje em dia. Quem é capaz de dialogar com o outro, e expor suas impressões? Os idiotas odeiam quem lhes fala a verdade diretamente; preferem viver da fantasiosa adulação. Por isso, vivemos num mundo em que uma pessoa não vai até outra conversar; fala-se pelas costas, nada se resolve, se promove a maledicência e tudo finda na mais infinita decepção com a humanidade.

Zapotzu comentou:
Confúcio disse: ‘não tema ser desconhecido, tema ser incompetente’. Contudo, é doloroso ver que as pessoas gostam de recorrer a quem sabe, mas não de agradecer pela ajuda. De fato, só há agradecimento calculado. As pessoas têm tomado o hábito de só agradecer a quem lhes interessa. Quem contribuiu mesmo, porém, fica oculto. Do mesmo modo, disse Hanyu: ‘hoje as pessoas tem vergonha de dizer que estudaram com um Mestre’. Isso acontece porque – pasme! – as pessoas não querem admitir que aprenderam com alguém, como se todos os anos que tivessem passado na escola não servissem para nada, ou como se nunca tivessem ouvido um professor na vida. Assim sendo, também só agradecem quando lhes interessa e desejam algo; ou, quando estudaram com alguém supostamente famoso. Daí, elas tem ‘orgulho’ de dizer que assistiram uma aula com tal Mestre.

O Sábio-que-dormia comentou:
Não podemos esquecer, também, do perdão. Quem, primeiramente, admite que errou? E depois, que tendo errado, deveria se consertar? E por fim, que tendo errado, deveria pedir perdão? As pessoas não entendem que o pedido de desculpas sincero serve para nos libertar de nossos erros – desde que, claro, seja acompanhado de uma real mudança íntima. Mas infelizmente, as pessoas não pedem mais desculpas porque ‘não querem ser humilhadas’!!! Elas erram, e continuam arrogantes! Pior: quando pedem desculpas, seja por pressão externa, ou por interesse pessoal, o fazem de maneira absolutamente irrelevante. Cumprem apenas uma formalidade, para se desobrigarem dos custos de seus erros.

Zapotzu comentou:
As pessoas são movidas por uma mistura de desconhecimento com emoção. Quanto mais ignorantes, mais seus argumentos são movidos pelo que sentem, acham e pensam. Por isso disse Confúcio: ‘refletir sem estudar é inútil; estudar sem refletir é perigoso’. Mas creio que poucos passam à segunda parte.

O Andarilho Celeste comentou:
E quando a razão cede lugar ao azar, a inteligência à arrogância, e o humanismo ao interesse, é melhor pegar a estrada. Mas aviso: isso é mais comum do que se imagina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário